quinta-feira, 13 de setembro de 2012

A história de uma família que mora na Rua Santa Ifigênia a quatro gerações

Caros parceiros,
Recentemente minha amiga, Camila de Oliveira , fez uma montagem com uma foto minha e da minha mãe em meio a luta em prol do centro de São Paulo: (veja abaixo)

Fique bastante tocada e sensibilizada. Passou aquele tal filminho na cabeça num piscar de segundos. A gente que está na ação nem sempre vê como quem está de fora, seja qual for a situação. Quem vê de fora tem mais visão e √ê melhor. 
Essa experiência  me trouxe uma vontade de revisitar novamente a minha origem, a minha raiz, a minha história e conectar no que realmente vale a pena e importa.
Para facilitar essa experiência, resolvi rever os álbuns de fotografia de infância. Com certa poeira, mas não esquecidos, peguei alguns muito antigos e já bem desbotados. E qual foi a minha surpresa: primeiro de que minha mãe adorava fotografia (entendi mais um pedaço de onde venha minha profissão) e a segunda é que São Paulo é o cenário de muitas e muitas fotos e recordações de família. Esses albúns são verdadeiros arquivos e um pedaço de história da nossa cidade. 

Compartilho com vocês  alguns momentos e cenas da minha família no centro de São Paulo:
 A festa de casamento dos meus pais foi no apartamento onde moramos até hoje na Rua Santa Ifigênia (1971) 

 
Minha mãe grávida de mim, no sétimo mês,  com minha avó e meu pai, no Parque da Luz (1973)


                         Meus pais no parque da Luz quando eu ainda era recém- nascida (1974)

Eu, com 3 meses,  passeando com meus pais na praça Júlio Mesquita e, minha mãe, grávida do meu irmão
                       Reparem a fonte com as conhas e as lagostas que já não existem mais. Atualmente o parque está fechado para reforma, aqui está uma parte de como era a fonte.
                           Na outra foto é possível ver as notícias no jornal, era o ano de 1974.

                                                  Com meus pais no largo do Arouche (1974)
                          As fotos de baixo eu estava na cozinha da minha avó no mesmo prédio. 

 
 Eu e meu irmão, em sessão de fotos, com a roupa que tava sem produção, mas com o sorriso de sempre

                      (da esq.) eu, minha avó, meu irmão, meu pai e minha mãe em casa (1982)


Toda a família na sala de casa na Rua Santa Ifigênia, com minha cunhada e com a presença da 4° geração, meu amado sobrinho. E que minha amada avó esteja feliz e em paz, nós a amamos muito   (2012)


Resolvi abrir o albúm de fotos da minha família para humanizar o debate de revitalização do Projeto Nova Luz. Quem está de fora da situação, acompanhando pela imprensa, não tem ideia do que está em jogo quando seu lar é ameaçado por um projeto urbanístico sem garantias reais. 

Acho que vendo de perto sempre fica mais claro saber mais profundamente por que queremos incluir a necessidade da moradia. Esse assunto entrou na pauta do debate pensado seriamente a pouco tempo. O que está em jogo é a nossa família e nossa história em meio a tudo isso. 

Não sei se os secretários e gestores municipais sabem o que já aconteceu para estarmos onde estamos hoje. De onde viemos e quanto trabalho e luta existiu para constituir e manter uma família e sermos moradores do centro de SP. 

Muitos acharam que eu fosse ser candidata a vereadora e por isso eu estava tão envolvida no Nova Luz (essa informação chegou a ser divulgada num importante portal sobre política e se espalhou na rede). Muitas pessoas se afastaram de mim achando que eu tinha esse interesse, hoje veêm que tudo foi uma grande tolice, inventada por pessoas que, certamente, não me conhecem. Será que vendo essas fotos fica difícil de imaginar por que me entrego e me dedico a esse assunto?

A vontade de lutar vem por gratidão em querer retribuir para a cidade o que sempre recebi dela: oportunidades, fé e coragem, prosperidade, amigos, amores, lazer e prazer. 
O centro está dentro de mim, e foi com essa matéria prima que fui generosamente lapidada. Nesse espaço que minhas referências foram criadas, por meio da educação, do convívio, das tantas amizades e, principalmente, foi e é o espaço onde minha família se fez e se constituiu. Foi onde iniciei minha carreira como comunicadora e tive a oportunidade em me formar e me transformar.
Nem preciso falar o quanto fiquei emocionada  em entrar em contato com minhas raízes e rever de onde vem a necessidade de fazer desse espaço, de fazer do centro, um lugar fértil e justo.  
São Paulo é o lugar de quem "chegou lá"- sempre ouvi essa expressão por aqui.

E para concluir, foi muito bom também relembrar meus ancestrais:

                                       A família da minha mãe é de origem rural, do campo.
                                             Na foto minha avó, meu avô e minha mãe bebê


                                           Nessa foto minha avó, minha tia e minha mãe (a menor).
                                                    Falta mais uma tia que nasceu depois





                 A família do meu pai, da cidade, vindos e se constituiram em terras estrangeiras
                                                     Meus avós paternos, meu pai e minha tia



                                                 Festa dos meus avós com toda a família
                                                 Meu pai é esse do canto na foto debaixo


Contrastes, diversidade, multiculturalismo, migração, imigração, trabalho, garra, amor, esperança, felicidade, prosperidade... assim é a cidade de São Paulo, sua gente e seu povo. 
É assim que me sinto um fruto que deu certo! 
São Paulo sempre faz a gente dar certo e saber disso!
Relembrar foi mais um momento de alegria e felicidade que o centro , novamente, me proporcionou. No centro  também aprendi a ser feliz. Melhor ainda quando compartilhado com tanta gente boa e do bem que tenho a oportunidade em conhecer e conviver.

Quero aqui homenagear minha querida, linda e forte família e meus ancestrais a quem amo incondicionalmente. 
E que DEUS abençoe a toda gente, as famílias, a união em todos os grupos e, principalmente,  a vontade de lutar sempre! E, os meus amados familiares que já partiram, que os caminhos de luz continuem a ensinar perdoar e libertar para continuar a amar. 

E tenho certeza que há um exército de Luz nos ajudando a fazer mais e melhor. 
A fazer a nossa parte.
Em paz e em Gratidão!
Beijos
Paula Ribas

6 comentários:

HUMPISCAR disse...

Paula parabéns pela família e pela história.
Aa vezes é importante mostrarmos quem somos para que as pessoas saibam a realidade e não um fato plantado sobre você ser algo que não é. Acredito que a verdade não se prova, ela se revela. E ta aí nesse post revelado nas fotos a verdade da sua história. Beijos

Zan disse...

Paula parabéns pela linda família e gratidão por compartilhar sua história. Vejo nessa matéria o grande carinho e respeito que você tem por você, sua família inclusive pelas pessoas que levantam qualquer tipo de comentário, porque na minha forma de entender isso é uma grande e caridosa oportunidade de compreender melhor algo que é criticado e talvez por ingenuidade não é compreendido.
abraços!

Héctor Ghiglione disse...

"Escolha uma estrela no firmamento e pendule dela até onde seus sonhos chegar" (H.Ghiglione 02.2012)

"Com Fê, força, pasciencia, convicción e esperança; quando o caminho é de LUZ; ...até as sombras finalmente se ajoelham" (H.Ghiglione, para Paula e parceiros na cruzada)

Márcia Brasil disse...

Oi Paula, adorei as fotos e a cronologia de sua vivência familiar no Centro. Importante resgatar o desejo das pessoas em poder manter a história da cidade. Infelizmente, muitos que por ali passam não tem o mesmo sentimento, e outros não dão o valor histórico e sim a questão capital, desvalorizando principalmente o ser humano. Firmes e fortes na luta. Beijos a todos da sua família.

Lesma de sofá disse...

Ai que lindo. Como vc é doce, menina!
Não sei de suas possibilidades de inserção na vida pública, mas certamente se isso acontecer vc vai matar a gente de orgulho, com tanta vontade e tanta correção.
beijos e amores da sua fã desde a primeira vez em que conversamos!

Paula Ribas disse...

Comentário enviado por e-mail pela arquiteta e Urbanista, Lucila Lacreta:

Paula:
Tentei colocar esta mensagem mas não consegui.
Caso possa, coloque-a no post, por favor:

"Muito tocante a história da sua família - que se confunde com a de centenas de paulistas - que encontraram e construiram sua identidade em um bairro que é tão significativo não só para voces como para todos nós.
Fica cada vez mais claro que é justamente toda a comunidade de Sta. ifigênia que deve protagonizar qualquer projeto de mudança e/ou melhoria. Os laços são muito fortes e ninguém - seja governo ou mercado imobiliário - tem o direito de ignorar esta realidade.
Lucila Lacreta, arquiteta urbanista"




Minha resposta:
Lucila,

fico imensamente honrada em receber sua resposta.
Fiz isso para contar a história da Nova Luz de outro ângulo e humanizar.

Vc tem sido uma grande parceira e uma profissional que nos traz vasta visão e senso crítico.
Eu serei sempre grata por sua inesquecível colaboração.

beijos com paz
Paula Ribas
AMOALUZ

Postar um comentário

O blog Apropriação da Luz é a oportunidade de você ver e saber como os moradores e comerciantes da região da Santa Ifigênia e Luz pensam sobre o projeto Nova Luz. Veja conteúdo produzido por moradores da região e saiba o ponto de vista de quem passa pelos impactos sociais do projeto. Pois, ver por dentro é ver de perto. Grata por seu interesse!

 
Design by Free Wordpress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Templates